04 outubro 2016

O desejo do analista

Para Lacan, a direção de uma análise se orienta pelo que ele chamou de "desejo do analista”, que se define como um operador clínico que coincide com o desejo de pura diferença. O desejo que na análise o Sujeito produza sua mais absoluta diferença e que por meio dela construa o resgate da alteridade, que se confere pela condição de poder estar só, poder desejar, poder demandar, demandar laços que contemplem a pura diferença como inspiração para uma forma inédita de amar. (Seminário - O trauma na cultura da indiferença - profa. Miriam Debieux)

https://www.youtube.com/watch?v=htHFLUxCvSg