16 fevereiro 2016

Dia de Cinzas

Homenagem a Juliana Romolo 

"Paixão. Só dela cresce o fôlego de um rumo"

Nós gostávamos de pedalar de madrugada 
De descer a Heitor Penteado a 70km/h 
E você tirava as mãos do guidão 
às vezes os pés do pedal 
Você voava. 

Meu coração sempre disparava. Eu sou medrosa, você sabe. 
A gente gritava e gritava. 
Depois dançávamos e prometíamos para nós mesmas que nunca mais esperaríamos tanto tempo para fazer nossos passeios da madrugada. 
Foram 4 ou 5 anos assim; Rio de Janeiro, Guarujá, Campos do Jordão, Paranapiacaba… Sempre de bicicleta. 

Quando comecei o mestrado, encostei a bicicleta na garagem. 
Nós nos desencostamos. 
Você se distanciou um pouco. 

Sempre morri de saudades de você. Pensava em você com longos vestidos e lindos decotes, dançando, dançando. 

Ju, hoje não consegui te olhar nos olhos. 
Não queria vê-la em um lugar tão fechado, nem debaixo da terra. 
Não você. 
… que me ensinou tanto sobre ser livre. 
e um acidente que te faz voar e morrer… 
em pleno carnaval.
há dois dias do seu aniversário. 

Você só podia morrer no carnaval 
Foi dançando. 
Foi feliz. 

E eu… que sempre morri de saudades de você… 
Continuo sentindo. 

Esse mundo é mesmo muito pequeno para você. 

Nós percebemos o arco íris que se formou sob o caixão 

Nossa música preferida: dancing, dancing...