21 janeiro 2016

#34 Poemas de Amor

E haverá sempre o último beijo
A última bala
O último abraço 
A soterrar-se no espaço de tempo 
que nascem as flores 
crescem as árvores 
nascem amores. 

Aqui jaz o “não"

A primeira porta que se abre
A primeira cadeira que se senta
O primeiro doce que se oferece
O primeiro beijo que encosta a parede 
A primeira cama que toca os corpos 
O primeiro olhar, 
Do primeiro amor. 

Aqui jaz o “não”

Castro