25 abril 2015

Mil léguas submarinas

Do alto de onde se desprendem as ondas
Descia fluída ao fundo do mar

Vencia a cólera de dias amargos 
Respirava ofegante, 
Longe ao naufrágio 

Meu peito, leve brumado 
Meus olhos vidrados
Meu corpo a nadar. 

Polvo, múltiplos tentáculos, goza
Goza de mim
Interminável onda de fricção 
Lânguidos braços e bocas
Convulsionam à febre 
Salvaguardam a alma 
anestesiam-se recônditos 
a livre prisão. 

Reconheço-te, 
e meu desejo não te olvida,
se te olho nos olhos
vejo urzes brotando 
da mesma emoção. 

Polvo, múltiplos tentáculos, goza
Goza de mim,
Interminável luta poética 
que vê na vida, razão. 

Se desci o oceano-mundo 
Abaixem, tentáculos 
Me dê a mão. 

A. Castro