16 março 2015

Centenário do Genocídio Armênio



A CHUVA DE SOL

Um choro jogado do sol
Trazendo sua fria água dourada
De repente, chegou resplandecente.

Era perfeito o brilho da chuva
Cantando uma canção muda pra mim
Limpou minha cinza em chamas.

Autor em armênio (imagem) - Alexandre Hamada Possi
Tradução: Sarkis Ampar Yeghiazaryan
Fonte: Folha de SP 

POVO CIGANO

Meu povo cigano, povo armênio
Não se calará ao sangue derramado
Relembrar é resistir 

Povo das estrelas, 
Teça um tapete de sol
Aqueça os poemas aos montes 
E limpem minha alma flutuante 

Aqui somos guerreiros, guerreiras 
Imperadores de rosas e jasmim 
Semeamos a glória 
Impedimos o fim. 

ALINE CASTRO 




A CHUVA