04 fevereiro 2014

#23

Qual será o seu rosto
E o encosto que fita sua nuca
E te toca
O vão do pescoço

Qual será a sua mão
Que entrelaça a outra
Caminha descalça
E me deixa sem rosto

Qual será o seu gosto
O tom dos seus gestos
O engano que é posto
O oposto do corpo
Que se faz disposto

E se ouço seu peito
Ainda viçoso,
Em tom de rufar
Me perco no mar
Perdido no sonho.


Sei o exato tom que murmura a voz do seu corpo. 

MASNAVI