22 janeiro 2014

Poemas da Despedida #19

Ismãlia

Quando Ismália enlouqueceu,
Pôs-se na torre a sonhar...
Viu uma lua no céu,
Viu outra lua no mar.

No sonho em que se perdeu,
Banhou-se toda em luar...
Queria subir ao céu,
Queria descer ao mar...

E, no desvario seu,
Na torre pôs-se a cantar...
Estava perto do céu,
Estava longe do mar...

E como um anjo pendeu
As asas para voar...
Queria a lua do céu,
Queria a lua do mar...

As asas que Deus lhe deu
Ruflaram de par em par...
Sua alma subiu ao céu,
Seu corpo desceu ao mar...  (Alphonsus de Guimaraens)


Calada noite que me traz a luz
Arrebatada de sentidos torpe
Eleva minh’alma delirante
Cedendo a sorte deste instante

Que me devolvam a alma
Minha fé desmedida
Que o ventre pétreo, pare
Sob as nuvens perdidas

Pés descalços andem
Em estrada escolhida
Atravessando no vento,
Suspirando as feridas.      (CASTRO)