03 abril 2012

Toda alegria conta



“O que eu adoro em ti
Não é a tua beleza
A beleza é em nós que existe
A beleza é um conceito
E a beleza é triste
Não é triste em si
Mas pelo que há nela
De fragilidade e incerteza” (Manuel Bandeira)

Toda alegria conta

Suaves madeixas que caem sobre mim
Semeia meu corpo úmido enfim
Toco a noite que habita seus seios marfim
Nascem estrelas dos teus olhos
Brilhando para mim

Vou desaguando teus rios
E curvas sem fim,
Degustando teu liquido,
Perdendo-te em mim

Minhas sombras se foram,
Nasceu um jasmim,
O jardim infinito que te bebe, assim
E por fim te recebo,
Chova em mim
Te darei meus segredos 
Sagrados pra mim. 

MASNAVI