23 fevereiro 2012

A voz Cigana


Prosa cigana
Silêncio na circunstância
Saudade, devassidão e ganância
Doçura, sem fé ou esperança
Semeadura, que não gera
Adulto ou criança.

Trota, cigana
Gira, embala
Tonta lembrança
Embriaga, frágil pujança
Se desnuda,
Para ver semelhança
Em qualquer luz,
Qualquer traço
Em qualquer dança.

Cala, cigana
O que se explica
Não é.
Se repete a constância
O que sobra é universo
O sentir,
Da tua voz, que se amansa
Ao manter-se pra sempre
Nesta mesma distancia.

Masnavi