28 fevereiro 2012

Ir-se


E não reconheço seu tom
Sua forma, seu som
Cobre tuas vestes de névoa
E vai.

Guarda teus trapos e preces
Tecido em fios tafetá
Guarda teu riso em flores
Fica com o que não se dá.

Minha flor, minha flor
Relicário sagrado, de feminino
Delicada vulva
Força e abrigo
Se o encontro é um dom
Então me leve contigo.

MASNAVI