02 junho 2011

Bailarina


Estou apagando meu cigarro para amarrar as sapatilhas.
Entrando no adágio
te apresento a armadilha
fazendo arabesque para colorir
A minha dança.
Solfejando minha arte
Sem pudor ou esperança.

Á terre, um movimento clássico sucumbe
O meu pás de valse tem critério
O meu ballet tem ornamento
Meu ballet é pás de deux
Tem devant e elancé
Tem o brilho to jouz
Execução de mais um tour

Meu ballet escorre os lábios
Abraça as pernas contorcidas
Solta fogo das entranhas
Faz de mim, desconhecida. 

MASNAVI