14 junho 2011

Arredia

    Os teus olhos dirão quando esse medo se for. O teu corpo falará o que não poderá mais esconder. Na tua imagem arredia, outros falarão por ti. E aí pode confundir-se entre isso que se entrega e se esquiva. Sobre o que goza e nega. Põe e tira.
    Menina arredia, se põe aqui no meu mundo. Esclarece o que a arte diz, e o que com muita dificuldade deixa em silêncio. Deleita-se do que não foi dito. Usa o que foi. Usa. Tudo. Com maestria. Com poesia. Do corpo se farta. Deixa aqui a tua marca. Cala aqui o teu grito de prazer. Fala. (Bailarina - PKB)

Confunda-me nos teu braços 
quando me entrego e me esquivo
me nega o gozo
quando quero mais
pôe e tira 
teu sexo denso
Deixa em silêncio
Nosso mundo
Cala a poesia
Que nos farta
Com a maestria
de dança fálica 
Penetra-me, 
com a tua alma 
Silência meu corpo
Com prazer. MASNAVI