11 março 2011

Doce escorpião


Your energy is healing to my soul
You are a beautiful surprise.

Tocou a campainha timidamente. Não estava acostumada aquela nova casa, com tantos elementos, tantos símbolos. Ela abriu a porta sorrindo, cachorros latindo e seu jeito despojado de agir por de trás dos dentes travados e também tímidos. Sempre que a via, havia certa impressão de um reencontro de velhos amigos, cúmplices de um amor escondido, ingênuo e bastava se aproximar para que tudo se transformasse na entrega de desejo, de fome de alma, na vontade de fazer o corpo falar de amor como devoção do outro, como loucura insaciável de querer. E aquele querer era perdição e encontro, uma corda que puxava as sensações mais profundas para a superfície e assustava e se reconhecia. Partes ainda obscuras se iluminavam, prazeres desaguavam dos encaixes, das manobras, da umidade que transpirava da pele. E a pele se fazia suporte tênue do infinito de possibilidades, era a porta destrancada para deixar o vento entrar e tocar seus cabelos que se embaraçavam na boca, nos olhos, no ouvido, nos penduricalhos que enfeitam e se perdem.
O corpo empilhado, embaixo, em cima, ia se perdendo, se perdendo, as paredes iam sumindo, as luzes, a cama, os sons e de repente, naquele outro lugar, havia outro abraço acolhedor. E se escutava poesia:

Deságüe seu rio tranqüilo
No meu leito de início de mar
Atravesse um braço de terra
E pule as ondas do mar

Soltemos as amarras dos barcos
E deixemos à deriva levar
Certos que o vento aponta
O mesmo destino de cais

Molhemos os braços, as pernas
Tranqüilos, quase a boiar
Sintamos cada milímetro de água
Submersos, a nos encarar

Nossos olhos são guias
Que não nos deixa afundar.

Nossa fragilidade tão aguda
Deixa nossa alma falar.
Deixa nosso espírito comungar.
Deixa nos revelar.
Haverá coragem para se abandonar?

E em cada beijo na sua boca, em cada olhar encarado havia uma prece. Suas preces revelavam seus desejos mais profundos. “Apaixone-se por mim”, “Queira só a mim”, “Ame-me como uma prece que resgate tua infância”, “Ame-me como uma puta que faz o que você pede”, “Doe-se como um artista se doa a sua loucura”, “Leve a cigana pra perto das estrelas. Só posso através de você me permitir”. “Faça meu carroção parar. Quero ter raízes”. Tantos devaneios. Sua energia era a cura para sua alma. Ela era uma linda surpresa.

MASNAVI