15 fevereiro 2011

Amanhecer


Acordava pela manhã, esticava-se na cama e agradecia. Agradecia pela contemplação do amanhecer, por seus braços e pernas rígidas, por seu sorriso e seu descanso. Procurava sempre lembrar-se de uma oração em diversas línguas. Gostava assim, em seu próprio ritual.
Inventava, acreditava e consagrava, tornado-se parte de sua história. Tornando-se impulso de sua própria alma. Tornando-se pedaço de seu coração. E então, abrir os olhos era uma experiência sagrada, na qual caminhara lentamente rumo a sua liberdade. E fazia tudo por um único amor.  MASNAVI