24 junho 2010

Dia de Infinito

O dia de hoje é um milagre que se abre entre as brumas e nasce sem pedir. Desaguando nos morros, aquece os movimentos e continua o percurso nas rochas, nos matos, no homem. A luz atravessa o peito e move os membros no caminho das águas. O rio vai levando os pecados, os erros, as vaidades, transformando-os em pedregulhos perdidos no musgo, no alimento dos peixes, na vida submersa e escura da própria vida. E se fosse uma escolha? Seriamos capazes de nos reconhcer neste milagre? Seriamos capazes de não nos ferirmos nas pequenas rochas do caminho que não é firme, mas é o único que nos leva a algum lugar. 
Masnavi