14 janeiro 2010

Homenagem a Zilda Arns

Homenagem a Zilda Arns

Convoco-lhes, majestosos reis e rainhas, a sair de seus impérios de cal e pedra para caminhar nas ruas onde habita seu povo. Convoco-lhes a olhares nos olhos desta gente para estender-lhes o braço e a manga em punho, com o braço que tanto lhe faltara nesta vida pequena e suja. Trazes as cores nos dedos para pintar-lhes o rosto em rubro tom. Trazes a palavra corrente, de mesmo calibre, para ajustar-lhes as medidas e a estima. Venham senhores, nobres senhoras, com a delicadeza de pássaros, dançando aos ares com a doçura do mel. Transbordem! Deságüem! Façam-se infinitos e gigantes nas ruas de caminhos reais e concretos, tão duros e retos que seremos capazes de pegar pelas mãos. Convido-lhes a mudar o universo, os pequenos mundinhos, ainda que por segundos de fé e de felicidade. E assim seremos salvos, pelas mãos imundas de mendigos esfarrapados, pelas mãos pretas de indigentes, nas ruas sujas de escarro e gritos. Convoco-lhes, majestosos reis e rainhas, a abrirem os olhos, a transformarem seu tempo, a tornarem-se humanos. MASNAVI