21 outubro 2009

Fogueira de si

Quero te dar
O maior dos segredos
Ainda que nada,
Possa eu te dar.

Te dou meu caminho
Para sentires o vento`
Para que andorinha,
Possa voar.

Sob os olhos de Devél
Cai a noite de luz cigana
A alma cala
Quando ama

Nós,
Filhos das estrelas
Separados,
Divina chama

Negros olhos de cigana
Roda, roda, enquanto chama.
Meu teto é o céu
Teu corpo, minha morada.
Vida sem nada
O coração proclama!

Livre, livre.
Alma minha – fora de mim (tu és)
Reconhecendo
Minha única morada.

Venha comigo
Fogo cigano.
Para que eu possa morrer
sob um pequeno pinheiro,
como um Sinto.

MASNAVI